TRATAMENTO

O desafio de ser cuidador de um doente com cancro da próstata

Receber o diagnóstico de cancro da próstata não é fácil para o doente, mas não é uma situação que afete apenas o próprio. Lidar com uma doença tão desestruturante que, em alguns casos, acarreta momentos de sofrimento físico e emocional para o diagnosticado acaba também por afetar toda a família, parceiros e amigos próximos, que se sentem igualmente impactados pelo sofrimento de quem está a lidar com a doença.

Neste primeiro momento, aquando do diagnóstico, a palavra-chave é empatia. Mostrar-se solidário, oferecer-se para ouvir as dúvidas, medos e angústias do doente, incentivá-lo a partilhar o estado de espírito e assegurar que se estará presente ao longo do processo para prestar o apoio necessário é fundamental. Nesta altura, manter uma atitude positiva, mas realista, dá confiança ao doente e ajuda-o a enfrentar a incerteza do futuro.

Ser cuidador informal de um doente oncológico acarreta desafios que trazem a necessidade de um equilíbrio emocional nem sempre fácil de alcançar. Entre ajudar o doente, mas, ao mesmo tempo, promover a sua autonomia, entre o cuidar de quem está a lidar com o cancro da próstata e, simultaneamente, garantir que se está saudável e com força anímica para assegurar esse apoio necessário são equilíbrios que podem ser difíceis de gerir.

No que diz respeito à autonomia do doente, é importante que o cuidador o incentive, na medida do que for possível e respeitando o estado de saúde, a desempenhar por si próprio as atividades diárias – higiene, alimentação, hobbies – e certificar-se de que o doente não se descuida no estilo de vida saudável: realizar as atividades físicas recomendadas pelo médico, optar por uma alimentação equilibrada, manter uma higiene de sono reparadora e ajudá-lo a manter-se longe dos hábitos tabágicos e de consumo excessivo de álcool.

Na vertente médica, o cuidador pode ajudar a organizar a rotina de consultas e acompanhar o doente se este o desejar, assim como as idas às terapias e aos exames complementares de diagnóstico necessários para avaliar a progressão da doença. O tratamento do cancro da próstata pode ser complexo, como é comum de uma doença oncológica, e pode ser muito importante ajudar a manter organizada a administração de medicamentos e estabelecer uma relação estreita com a equipa multidisciplinar que acompanha o doente para a ela recorrer sempre que necessário. É igualmente importante estar atento a sintomas e sinais que possam indicar que algo não está bem com o doente para agir o mais rapidamente possível.

Nem sempre a recuperação do doente é possível e, nessas alturas, é necessário aceitar a realidade e encontrar formas saudáveis de lidar com ela. Procurar ajuda de um profissional, pedir apoio psicológico pode ser importante para que doente e cuidador encontrem ferramentas práticas para lidar com as más notícias.

Referências:

https://www.cuidador.pt/blogue/272-como-cuidar-de-alguem-com-cancro

https://www.medis.pt/mais-medis/cancro/manual-do-cuidador-do-doente-com-cancro/

https://www.medis.pt/media/3698/medis-manual-do-cuidador-doente-cancro.pdf